O futebol se tornou atrativo na maior parte do mundo nos últimos anos. Mercados alternativos como Coreia do Sul, Chipre, Malásia, Emirados Árabes e Qatar cresceram bastante recentemente e viraram alvos de muitos brasileiros, também motivados pelo poderio econômico desses polos emergentes

Revelado nas categorias de base do Flamengo, Negueba despontou para o futebol no início da década e atuou por quatro temporadas no clube carioca. Além do Rubro-Negro, o atacante também jogou por clubes como São Paulo, Grêmio, Coritiba, Atlético-GO, Ponte Preta e Londrina. Em 2018, o jogador se transferiu para o Gyeongnam, da Coreia do Sul, onde foi vice campeão do campeonato nacional na temporada passada.

— Aqui na Coreia, eles têm um jeito de jogar muito diferente, rápido e de muita marcação. Eu vim pra cá meses antes de assinar. Então, quando a temporada começou, foi mais fácil a adaptação. Na gastronomia, eles botam muita pimenta em tudo e eu não me acostumei ainda, não (risos). A língua também é bem difícil de falar, mas já converso algumas coisas – disse o brasileiro de 27 anos, que complementou:

— A experiência está sendo muito boa. No meu primeiro ano aqui, o time se classificou para a Champions da Ásia e foi vice-campeão da K-League, o que nunca tinha acontecido antes. Também fui eleito um dos melhores atacantes do campeonato. Claro que pretendo voltar ao Brasil, mas não agora, quero aproveitar esse bom momento aqui por enquanto – encerrou o atacante, que já balançou as redes pelo time asiático seis vezes

Veja também: Brutamontes empurram caminhões, mas sofrem com bobagens diárias

Outro jogador com bastante rodagem não só no futebol brasileiro, mas como mundial é o atacante Zé Eduardo, o Zé Love. O centroavante já defendeu São Caetano, América-MG, ABC, Santos, Coritiba, Goiás, Vitória e Figueirense no Brasil. Fora do país, já atuou por Genoa e Siena, da Itália; Shanghai Shenxin, da China; Al-Shaab, dos Emirados Árabes e Al-Faysaly, da Arábia Saudita. Hoje, aos 31 anos, ele joga pelo Pahang FA, da Malásia.

— Joguei oito meses na China na época que o futebol por lá estava se erguendo e fiz um bom campeonato, mas o time era de pouca expressão, então não tive muito destaque. Depois fui para Dubai, onde somei outra passagem muito boa e até hoje recebo carinho dos torcedores do Al-Shaab. Na Arábia Saudita, também consegui um feito importante, de fazer o gol que levou o time à final da Copa do Rei, onde o Al-Faisaly nunca tinha chegado – disse Zé, emendando:

— Agora, atuo na Malásia e tenho vivido um momento muito bom. Nos últimos cinco jogos, marquei cinco gols e dei quatro assistências. Todo mundo se assusta um pouco quando chega na Ásia, porque é uma cultura diferente da nossa, mais fechada, principalmente na Arábia. Eu estou feliz por aqui e minha família também. Tenho 31 anos, sonho, sim, em voltar ao Brasil e me identifico principalmente com três clubes: Vitória, Coritiba e Santos – encerrou o atacante

Revelado da base do Timão, Lulinha surgiu como uma grande promessa do futebol brasileiro. Além do clube paulista, o atacante também somou passagens por outros clubes no Brasil, como Bahia, Ceará, Criciúma e Botafogo. Fora do país, o jogador já atuou por Olhanense e Estoril, de Portugal; Pohang Steelers, da Coreia do Sul e Al Sharjah, dos Emirados Árabes. Aos 29 anos, Lulinha defende hoje o Pafos FC, do Chipre.

— Eu fiquei um ano e meio na Coreia e confesso que os primeiros seis meses foram complicados em relação à adaptação. Vivi boas temporadas, principalmente em 2017, quando eu fiz meu melhor ano desde que deixei o Brasil. Depois, passei pelos Emirados Árabes, onde tive uma passagem curta, mas boa financeiramente. Não tive muita sequência lá, mas é um país incrível de se viver e a experiência foi maravilhosa – disse o jogador, que completou: 

— Hoje, estou no Chipre, num campeonato diferente, mais pegado e de mais força. Me lesionei recentemente e fiquei dois meses parado, mas já estou recuperado e espero ajudar a equipe neste fim de temporada. Assim como os Emirados, aqui é bastante turístico, principalmente no verão. Voltar para o Brasil é um objetivo que eu tenho, não sei se vai acontecer agora ou depois, mas a família sente muita falta – finalizou Lulinha

Veja também: Público de três pessoas e jogo de dez gols marcam estaduais

Cria do Vitória, Willians apareceu para o futebol quando jogou pelo Palmeiras há 10 anos. Além do Alviverde, o atacante também atuou no Brasil por Fluminense, Sport, América-MG, Bahia, Atlético-GO, Avaí e CRB. Em 2015 e 2016, jogou pelo Matsumoto Yamaga, do Japão. No início deste ano, o atacante de 30 anos acertou com o Al-Khor, do Qatar.

— Estou feliz aqui e me adaptei mais rápido do que esperava. A língua árabe é difícil, mas todos falam inglês, então fica mais fácil. Na culinária, você encontra de tudo, mas eu trouxe muito feijão do Brasil (risos). Desde quando eu cheguei, o time somou 10 pontos em seis rodadas e conseguimos sair da zona de rebaixamento. Diferente do Brasil, aqui eu consigo ter mais tempo pra minha família, então a minha ideia é ficar aqui por mais tempo – falou o atacante

Outro que surgiu do Flamengo, o volante Luiz Philipe, conhecido como Muralha, também joga em um mercado alternativo atualmente. Depois de passagens no Brasil por Portuguesa e Luverdense, e duas temporadas pelo Pohang Steelers, da Coreia do Sul, o meio-campista de 26 anos defende atualmente o Al-Hazm, da Arábia Saudita.

— Cheguei na Coréia em 2016 e demorei cerca de um mês pra me acostumar com tudo. A língua, comida e fuso-horário são os mais complicados pra se adaptar. Já na Arábia foi mais tranquilo e o mais difícil é o calor. No Al-Hazm eu tenho feito ótima temporada e sou titular. Claro que eu penso em voltar ao Brasil, se aparecer uma oferta boa pra mim, eu não vejo problema em voltar, mas a ideia por enquanto é ficar por aqui – comentou Muralha

Carille consola Antony após a final Paulista; veja as imagens

Lançado ao futebol pelo Fluminense, Samuel já está há três anos nos Emirados Árabes. No Brasil, além do Tricolor, o atacante de 28 anos defendeu Sport, Goiás e Ferroviário. Em 2014, somou uma breve passagem pelo Los Angeles Galaxy, dos Estados Unidos. Em 2016, o jogador se transferiu para o Hatta Club, onde se destacou, marcando 21 gols. Teve um curto momento no Al-Nasr no ano passado e hoje atua pelo Al-Fujairah.

— Eu pensava que iria demorar pra me adaptar, mas foi o contrário. Aqui tem muitas coisas parecidas com o Brasil até um quiosque em Dubai que vende pastéis, açaí e tapioca. Nos primeiros dois anos eu fui bem no Hatta Club e consegui ser o artilheiro na Liga. Ano passado eu joguei no Al-Nars, mas as coisas não deram certo e hoje estou emprestado ao Al-Fujairah SC. Nunca sabemos o dia de amanhã, mas meu planejamento é ficar por aqui

Diogo: Com passagens por Flamengo, Santos e Palmeiras, o atacante de 31 anos jogou os últimos quatro anos no Buriram United, da Tailândia. Foi contratado recentemente pelo Johor Darul, da Malásia.

Lenny: Revelado pelo Fluminense e com passagem por Palmeiras e Figueirense, o atacante de 31 anos atua hoje pelo Khon Kaen, da Tailândia.

Caio: O atacante de 28 anos, que atuou no Brasil por Internacional, Botafogo e Figueirense, joga desde a temporada 2014/15 no Al-Wasl, dos Emirados Árabes.

Romarinho: Com passagem de destaque no Corinthians, o jogador de 28 anos já atuou pelo El Jaish, do Qatar; Al-Jazera, dos Emirados Árabes e hoje joga pelo Al-Ittihad, da Arábia Saudita

Veja também: Depressão. A saída para aliviar o doping por cocaína de Carneiro


Fonte: R7

Comentários Facebook
https://i0.wp.com/noticias.conexaocorbelia.com/cnx-crbx/uploads/2019/04/de-negueba-a-lulinha-atletas-falam-de-vida-em-mercados-alternativos.jpg?fit=660%2C371https://i0.wp.com/noticias.conexaocorbelia.com/cnx-crbx/uploads/2019/04/de-negueba-a-lulinha-atletas-falam-de-vida-em-mercados-alternativos.jpg?resize=150%2C150Notícias FutebolFutebolO futebol se tornou atrativo na maior parte do mundo nos últimos anos. Mercados alternativos como Coreia do Sul, Chipre, Malásia, Emirados Árabes e Qatar cresceram bastante recentemente e viraram alvos de muitos brasileiros, também motivados pelo poderio econômico desses polos emergentesRevelado nas categorias de base do Flamengo, Negueba...Dicas, curiosidades, entretenimento, notícias e tudo sobre Corbélia e região