História  –  Escudo e Brasão –  GeografiaPrefeitos de Corbélia  –  Turismo  –  Limites do Município  –  Hino

 

CORBÉLIA – PARANÁ – BRASIL

Corbélia é um município Brasileiro do estado do Paraná. Localiza-se a uma latitude 24º47’56” sul e a uma longitude 53º18’24” oeste, estando a uma altitude de 895 metros. Sua população estimada em 2004 era de 15.428 habitantes. Possui uma área de 529,39 km².

História

Segundo os historiadores, os primeiros habitantes desta terra foram os Índios Caingangues, visto que foram encontradas peças fósseis e instrumentos de uso pessoal, as margens do Rio Piquiri, que comprovou a existência dos mesmos.

A expansão Econômica pretendida pelo Governo do Estado foi instituída a Fundação Paranaense de Colonização e Imigração a qual demarcou estas áreas abrindo estradas para dar acesso aos pioneiros que viam para esta região, dando um futuro promissor às suas famílias.
Por volta de 1947, chegaram ao atual município diversas famílias que se espalharam nas localidades dos distrito de Nossa Senhora da Penha, Ouro Verde do Piquiri, Iguatu, Anahy, Braganey, Santa Inês, Sapucaia, Rio dos Porcos, Rancho Mundo, Campininha e outras localidades.

Conforme relato de pioneiros, eles escolheram estes lugares devido ao fato de as terras serem férteis e de baixo custo, além do que, podiam pagar as terras em prestações, ao contrário de outros locais, onde somente se compraram terras à vista.

Uma das primeiras famílias a chegar em 1947 é a do senhor Pedro Druczkoski, ambos de Mallet – Paraná. Para que pudessem chegar até Corbélia, eles enfrentaram a mata através de picadas, pois não haviam estradas naquela época. Quando aqui chegaram, encontraram somente uma pequena mercearia. A primeira plantação feita por esta família foi altamente prejudicada por uma invasão de gafanhotos, o que fez com que este pioneiro chegasse ao ponto de trocar suas roupas por mandioca nesta pequena mercearia para não passar fome.

Em 1948 chegam em Corbélia as famílias de Joroslau Schuckak, provinda de Canoinhas-RS, indo instalar-se na localidade de São Pedro e, Aldino Formighieri, natural de Passo Fundo-RS, juntamente com seu irmão.

Fiscal geral da Fundação Paranaense de Colonização e Imigração, e guarda da gleba, Aldino Formighieri chegou à região de Corbélia, Formighieri tinha então vinte anos de idade e trazia a missão de promover acordos com os posseiros e impedir a ação de intrusos que invadiam as terras pertencentes à Fundação de Colonização, em trabalho chefiado por Armando Zanato, este originário de Carazinho (RS). Teve tão bom desempenho na expulsão de intrusos que o governador Moysés Lupion o convidou para dirigir o setor de segurança da Fundação como delegado e comandante de polícia na região.

Em 1949, chega em Corbélia o senhor José Skottki, provindo de Santa Catarina e trazendo junto consigo mais cinqüenta pessoas, instalando-se nas proximidades do Rio Melissa. Entretanto, destas cinqüenta pessoas, algumas seguiram viagem. Já em 1951, chega a família Casagrande e inicia a plantação de café.

Por volta de 1953, chega a família de Isidoro Primo Frare, que iniciou a abertura de uma localidade conhecida antigamente como Rio Tigre e hoje é o município de Braganey.
Cada vez mais chegavam pessoas para residir em Corbélia devido à fertilidade e o preço de forma de pagamento das terras, sendo migrantes principalmente dos estado de Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Dentre todas estas famílias, destacamos a família Palhano, Simon, Sauter, de João Schneider, de Pedro Zilso Barella, Helmut Mayer, Henrique Muller, Manoel de Souza, Manoel Vidal, Paulo de Souza, Ivo Farias, Isaidoro Hotz, Venceslau POires, Alfredo Saturno, Victorio Forcolin, Atílio Cesário Barzotto, Gustavo Scharlau, Egon Vogt, Apélio Casagrande, entre outras famílias.

O processo de colonização de Corbélia, em área pertencente a Cascavel, começou ainda em 1951, ano em que Cascavel se desmembrava de Foz do Iguaçu. A nova frente foi empreendida pela Fundação Paranaense de Colonização e Imigração, que havia contratado Armando Zanato para promover a venda de terras e procurar entendimento com os posseiros da região. Como sertanista nato, o senhor Armando Zanato entreviu a possibilidade de criação de um núcleo habitacional, e iniciou suas atividades no sentido de colonizar uma área de terras de ótima qualidade que passou a ser conhecida por Colônia Corbélia.

Por volta de 1953, chegaram em Corbélia às famílias de João Fridolino Dillemburg, Homero Baú e outros juntamente com Armando Zanato, que colonizaram e fundaram o nosso Município, mas já haviam outras famílias, como a família Formighieri, que já viviam onde hoje é o município, e esta colônia entre diversas denominações, recebia o nome de Arroio dos Porcos, antes de se chamar Colônia Corbélia.
Em busca de novas famílias, Armando Zanato faz um verdadeiro trabalho de publicidade, divulgando em rádios e através de visitas aos mais diferentes lugares, nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, a nova cidade que surgia.

O nome de Corbélia teve origem do termo francês “corbeille”, que significa pequeno cesto de flores. Segundo a tradição, esta foi à designação sugerida pela senhora Iracema Zanato, florista e esposa de Armando Zanato, um dos pioneiros colonizadores e fundadores da cidade de Corbélia. Conta uma pioneira, que quando estavam em busca de um nome para a nova cidade, dona Iracema e sua filha colheram diversas flores, pois haviam diversos tipos e em quantidade, e com elas fizeram um buquê e perceberam que este formava uma bela corbélia e daí foi sugerido o nome para a nova cidade e este foi acolhido carinhosamente, pois haviam realmente, diversas espécies de flores no local.

A família de Pedro Zilso Barella abria estradas no interior do atual município de Corbélia, com o apoio de Apélio Casagrande, nesse promissor início de década. Barella havia sido contratado pela Fundação de Colonização e Imigração para abrir estradas com máquinas Catterpillar, além de prestar assistência à Serraria Corbélia no setor de maquinaria. Depois, na década de 60, iria se integrar à direção do Parque de Máquinas da Prefeitura de Corbélia.

Já Apélio Casagrande, além de agricultor e construtor de estradas, contribuiu com a construção de pontes e escolas, tendo sido mais tarde vereador em Corbélia, representando a região da Penha.
Chegaram mais 1 035 colonos ao projeto de colonização da Maripá em 1953, ano em que surgiu a comunidade de Vila Maripá e se instalaram na região de Corbélia as famílias Mânica, Baú, Schechelli, Frare e Dillemburg. João Fridolino Dillemburg, gaúcho de São Sebastião do Caí, havia sido comerciante no Sul e teria um papel fundamental na elevação do distrito de Corbélia a município, dirigindo a Loteadora Industrial Paranaense.

Enquanto no interior de Toledo surgiam em 1954 os núcleos urbanos de Pato Bragado e São Roque, junto ao rio Tigre, em Corbélia, estabelecia-se a família Frare, cuja contribuição para o desenvolvimento da área é considerado inestimável, tendo construído estradas e pontes. Ao mesmo tempo, estavam sendo demarcadas as ruas de Corbélia, obedecendo a um plano urbanístico traçado pelo engenheiro Paulo Trauczinski

Em 1955 chegaram 1 230 colonos à Fazenda Britânia, favorecendo a formação da Vila Iporã em Toledo. Em Corbélia já existiam então 42 casas e a vila recebia sua primeira serraria, pelas mãos de Júlio Tozzo.

Não contente com a colonização, alguns anos antes, da região do rio Tigre, depois batizado de rio Novais, em Corbélia, em 1960 Isidoro Primo Frare se uniu às famílias de Joaquim Correa e Pedro Pereira de Godoy para abrir um novo projeto de colonização, com venda de lotes rurais e também urbanos, no qual foi organizado um arruamento. Desse esforço veio redundar a formação da cidade de Braganey.

Em 09 de outubro de 1957, Colônia Corbélia foi elevada a distrito Judiciário de Cascavel, o que fez com que a localidade progredisse e em 10 de junho de 1961, Colônia Corbélia é elevada a categoria de Município, tendo sua emancipação política em 08 de dezembro do mesmo ano, sendo que toma posse o primeiro prefeito do novo município, o senhor Julio Tozzo.
Em 1962, Astrogildo da Silva e Anacleto Pantano começaram a povoação da região de Iguatu (Corbélia).

A família de Atílio Cesário Barzotto iniciou o plantio de café em Corbélia em 1952. Foi o café, na verdade, um dos grandes responsáveis pela abertura de estradas, desbravamento de novas fronteiras agrícolas, construção de pontes, estradas e igrejas naquela região, pois se a madeira ainda imperava absoluta no Oeste, a contribuição regional para a forte presença do Paraná na produção de café já se afigurava expressiva.

No início da década de 50, a relativa melhoria da estrada estimulou a empresa de transportes coletivos intermunicipais Princesa dos Campos a abrir um roteiro de linhas pela região, o que interessava às companhias colonizadoras, ansiosas por levar os colonos compradores para conhecer as áreas. Mas os problemas para o tráfego dos ônibus e a escassez de passageiros, que preferiam voar, acabaram por fazer com que até o único ônibus disponível para a linha pioneira fosse desativado. Mas Alvorino Giuseppe Schecheli, que chegava à região trazido pelo sogro Francisco Mânica, não teve dúvidas em se estabelecer no setor de transporte de passageiros, fazendo os trajetos Ouro Verde—Anahy e Corbélia—Cascavel.

Segundo o vídeo produzido na década de 60 pelo Jornal Flamma de Curitiba, Corbélia foi criada inicialmente como centro de distribuição e de abastecimento da região e por possuir terras onde tudo o que se planta colhe, seu clima agradável e por possuir muita madeira, atraiu os cafeicultores e madeireiros que se instalaram no local.

Conforme reportagem da revista Catedral de Dezembro de 2000, acolonização de Corbélia foi iniciada na década de 50 e em 1953, o idealizador do município, o senhor Armando Zanato, penetrava sertão adentro e determinava dentro da mata virgem o local da futura cidade. Através da sociedade formada pelos senhores Armando Zanato, Homero Baú e João Fridolino Dillemburg, no dia 13 de Agosto de 1953, nascia a cidade de Corbélia. Através de iniciativa do senhor Armando Zanato, foi proposto como padroeiro do município São Judas Tadeu e através do voto dos primeiros habitantes, efetivamente elegeram o santo como o padroeiro. Pelo projeto que resultou na Lei 05/04/1972, de autoria do vereador José Rubin, ficou estabelecido feriado municipal no dia 28 de Outubro, dia de São Judas Tadeu.

Corbélia esteve ligada a Cascavel até 1961, e por isso possui sua história de ocupação territorial está vinculada a este município. História essa que faz parte do amplo contexto da ocupação e do desenvolvimento do Oeste e do Brasil. Entre 1920 e 1930, ocorreu um deslocamento da população paranaense de Guarapuava para o Oeste do Paraná, conhecido como “Frente Cabocla”. A fundação de Cascavel, bem como a de Corbélia deve-se principalmente a este descolamento de tropeiros e caboclos das diversas regiões.

Durante a década de 30, famílias catarinenses e gaúchas estabeleceram-se em Cascavel, fixando-se como agricultores. Na década seguinte, foi criada a Fundação Paranaense para a Colonização Oficial, dando preferência para as regiões demograficamente isoladas, na região, onde hoje estão localizadas Terra Roxa e Corbélia, foi lançado o primeiro loteamento.

Corbélia fazia parte de Cascavel, um imenso território que se estendia do rio Iguaçu ao Piquiri. Em 1951, Cascavel foi considerada município, e Corbélia, em 1957 foi elevada á categoria de distrito administrativo do novo município, tornando-se município em 10 de Junho de 1961 e emancipando-se a 8 de dezembro do mesmo ano. Em 24 de Fevereiro de 1978, obteve a qualidade de comarca.

Na década de 50 o café obteve uma melhoria nos preços, atraindo plantadores para novas regiões. Dessa forma, seu cultivo ultrapassou o Rio Piquirí, chegando ao Oeste Paranaense. A expansão da lavoura cafeeira trouxe novas famílias de diversas regiões, sendo na maioria famílias que possuíam tradição cafeeira. Até os dias atuais, observa-se que a parte norte do município de Cascavel, hoje Corbélia, é diferente do restante da região em seus usos e costumes. E a origem étnica dos contingentes que povoou Corbélia, formou a parte morena do Oeste do Paraná. Esse deslocamento ficou conhecido como “Frente Nortista” ou “Cafeeira”.

Foi a partir de 1948, com a instalação de grandes serrarias, que foi iniciado o ciclo econômico madeireiro, o que provocou a chegada de mais famílias catarinenses e gaúchas. Esse novo deslocamento ficou conhecido como “Frente Sulista”. Foi nesta fase, que o sistema produtivo em Corbélia organizou-se em moldes coloniais, tendo como base a policultura de produtos anuais centrando-se no milho, feijão, trigo e arroz, e na suinocultura. A cultura de café que entrara em declínio na década de 60, presenciou uma grande queda com a intensificação da mecanização agrícola, nos anos 70.

Com a incorporação do Oeste do Paraná ao processo de expansão da lavoura de exportação, no contexto de internacionalização da economia a partir do início da década de 70, verificou-se a desarticulação crescente do sistema produtivo anterior que, entretanto, manteve alguns de seus elementos definidores, tais como o padrão fundiário e a mão de obra. O crescimento inicial do município de Corbélia foi rápido. No inicio da década de 60 eram aproximadamente 2.252 habitantes, evoluindo para 39.834 habitantes, no princípio dos anos 70. Nos primeiros dez anos, a zona rural possuía aproximadamente 1.852 habitantes, e na década seguinte, 36.799. Com isso, podemos concluir que a expansão do espaço agrário em Corbélia centrou-se na ampliação das áreas agrícolas.

Escudo e Brasão

O autor do Escudo ou Brasão original foi o senhor Julio Tozzo, prefeito municipal de 1965. Sua confecção se deu pela Lei nº 13, de 20/08/1968, do então prefeito João Francisco Mattei. O estudo da idealização do brasão foi feita pelo Studio Pantheon.

Memorial descritivo: Escudo moderno cortinado de bordadura de goles, encimado por coroa mural de ouro de três torres ameadas e sua porta cada uma, privativa das municipalidades. Suportes.
Descrição das partes: as partes Altas são de prata, trazendo a destra, alabarda de São Judas Tadeu; a de sinistra, pinheiro (araucária), ambos de suas cores.

A da ponte de bleu traz silhuetas de fábricas de ouro, carregadas de engrenagens de sable. Bordadura de goles com cinco aspas de prata. Os suportes são hastes de milho e trigo espigados e ramo de café frutado (substituído pela Lei nº411, de 04/06/1997, por ramo de soja), todos estilizados e de suas cores.

No listel, fitão de prata traz a palavra “Corbélia” em letras de bleu.Literatura do Escudo: A prata fala da pureza com que os interesses comuns são encarados pelos habitantes de Corbélia, que tem em seu orago “São Judas Tadeu” o guia e incentivador de reivindicações justas e progressivas.

Enquanto a alabarda lembra o lado espiritual da comunidade; o pinheiro recorda que Corbélia se situa nas férteis terras de araucárias e nos lembra ainda uma das fontes de riqueza do município: o pinho.

Enquanto o bleu recorda a perseverança com que os Poderes Constituídos de Corbélia, olham pelo desenvolvimento do Município: o ouro que apresenta as silhuetas de fábricas fala da solidez conseguida pelo trabalho ininterrupto dos homens de Corbélia que alcançaram com sabedoria e honestidade um alto nível de industrialização para a sua cidade.

O goles fala das lutas e vicissitudes enfrentadas pelos fundadores do Município de Corbélia, lembrados no brasão de armas da cidade pelas aspas de prata.
Os suportes lembram as principais fontes de renda agrícola do município.

No fitão, a palavra “Corbélia” fala que os Poderes Constituídos da cidade e município dedicam seus pensamentos e seu maior interesse ao bem estar dos munícipes e progresso da cidade.

Geografia

O município de Corbélia está posicionado na Região Sul do Brasil, na Mesorregião do Extremo Oeste Paranaense e na Microrregião de Cascavel. Geograficamente localiza-se a 24º, 28’de latitude Sul e uma longitude de 53º, 18’e 20″W-GR. A parte central do município, pelo centro gravitacional, está localizada no rio dos Porcos, entre Penha e Colônia Nova. Sua área é de 402,17 km. Corbélia possui dois distritos: Penha ao Norte da sede, distante 12 km, com ligação pela BR-369, e ligação asfáltica para Cafelândia e, Ouro Verde do Piquiri ao norte do distrito da Penha, distante da sede 22 km, com ligações asfálticas pela BR-369.

 Clima

O clima é subtropical Úmido Mesotérmico.

– Verões quentes com tendência de concentração das chuvas (temperatura média superior a 22°C).

– Invernos com geadas pouco freqüentes (temperatura média inferior a 18°C), sem estação seca definida.

Relevo, solo e subsolo

Tipo de Relevo: predominante suave-ondulado, sendo 30% relevo plano, 30% suave ondulado, 20% forte ondulado.

– Tipo de Solo e Subsolo: latossolo roxo 45%, terra roxa estruturada 25%, solos litólicos 10% e associação de terra roxa estruturada e litossolo 20%.

Sistema demográfico

Segundo o IBGE-2007, Corbélia, possuí 15.428 habitantes. É certo registrar que ocorreu uma involução populacional nos pequenos municípios oestinos, com destaque para o caso de Corbélia, a partir da década de 70. A população de Corbélia começou, então, a involiur; Evidenciou-se em Corbélia uma involução no total da população, em que os habitantes da zona rural sofreram decréscimo enquanto registrou-se aumento na população urbana. A explicação para o fenômeno recaí, deste modo, no êxodo rural, atribuindo-se á modernização da agricultura, especialmente sua mecanização, o fator que provocou a saída do campo.

Quanto à etnia, é bem diversificada, porém há uma predominância de italiano, alemão, polonês e ucraniano. Observa-se que é expressivos o número de pessoas com descendência dos primitivos povoadores do Brasil. É interessante registrar que cada etnia trouxe de suas origens experiências diferentes, resultando em diferentes organizações da propriedade, variando de uma para outra, inclusive na diversificação de explorações.

O estudo do município representa para o aluno de 1º grau uma oportunidade adequadamente para realizar, ao nível da reflexão, a passagem do concreto (por si fragmentado) para o abstrato, que, ao pressupor maior grau de generalização, possibilita avançar na compreensão da globalidade. É a compreensão do processo que se busca e não sua simples enumeração ou descrição.

Prefeitos de Corbélia e suas principais obras.

1º Prefeito: JULIO TOZZO 01/12/1961 à 31/01/1965

(Elmar Zanato – Vice-Prefeito)

É natural de Bento Gonçalves-RS, nascido em 15 de dezembro de 1922.

Filho de Firmino Tozzo e Sylvia Lourenzatti, é casado com Rosália Dujak e pai de Nelson, Nelci, Firmino, Nilson(in memorian) Neuso e Julio Tozzo Filho.

Chegou em Corbélia aos 33 anos de idade, já casado. Anteriormente viveu em Erechim e Chapecó, além de sua terra natal, Bento Gonçalves.

Iniciou suas atividades econômicas em Corbélia no ramo de serraria e comércio, mantendo até hoje a empresa, que é administrada por seus filhos.

Sua carreira política teve início em 1958, quando elegeu-se vereador pelo PDS, por Cascavel, representando sua localidade. Foi o primeiro prefeito de Corbélia.

v  Construção da 1º rede de eletrificação;

v  Implantou posteação de madeira;

v  Construção de pequena usina hidrelétrica no Rio Sapucaia;

v  Abriu estradas;

v  Construiu, em convênio com a Fundepar a Escola Castro Alves;

v  Construção da Escola Duque de Caxias – prédio de madeira;

v  Construção de Escolas rurais;

v  Implantação do 1º serviço de telefonia urbana e interurbana, ligando inicialmente com Cascavel;

v  Aquisição de uma moto niveladora de pequeno porte, uma niveladora (Caterpillar), de terreno para construção da agência dos Correios, um caminhão de Sotto, um trator de esteira, da área de 3 alqueires para implantação da Usina Hidroelétrica;

v  Hidroelétrica Sapucaí.

 

Vereadores nesta gestão[1]:

Amâncio A. Casagrande

Isidoro P. Frare

Deomilton Picksius

Apélio Casagrande

Giocondo Tebaldi

Silvério Musskopf

Eugênio Kluska

Calixto Tomazzoni

Felix C. de Oliveira

 

2º Prefeito: JOÃO FRANCISCO MATTEI 01/02/1965 à 31/01/1969

(Vergilhe Matté – Vice-Prefeito)

v  Abriu inúmeras estradas;

v  Construiu diversas pontes;

v  Construiu o grupo escolar Olavo Bilac, no distrito de Ouro Verde;

v  Construiu a antiga Prefeitura Municipal;

v  Construiu a cancha  esportiva da Escola Castro Alves;

v  Transferência de abastecimento de energia para Copel e implantação da rede de iluminação pública;

v  Construiu o grupo José Bonifácio em Anahy, em material pré-fabricado;

v  Construiu mais escolas rurais;

v  Construção do 1º prédio do colégio Amâncio Moro;

v  Instalação do escritório da Acarpa/Emater;

v  Criação da Junta Militar;

v  Implantação do serviço de água;

v  Criação da Biblioteca Pública Municipal de Corbélia;

v  Confecção da Bandeira do município;

v  Autorização para construção da rodoviária;

v  Elaboração do Hino de Corbélia;

v  Construção de um parque infantil na sede do município;

v  Aquisição de um Rural Willys, uma motoniveladora, três caminhões basculante, um trator de esteira, uma pá carregadeira, um caminhão tanque e de um rádio receptor para a Delegacia de Polícia;

v  Autorização para construção da rodoviária;

v  Construção de um parque infantil na sede;

 

Vereadores nesta gestão:

Clovis A. Dillemburg

Giocondo Tebaldi

Isaias L. Orsatto

Fiorindo Lodi

Alfredo Wilsen

Olivio Durigon

Victor E. Backes

Deoclides De Souza Reis

João Capeletto

 

3º Prefeito: CAMILO DE LELLIS GAZINEU 01/02/1970 à 31/01/1973

(Julio Tozzo – Vice-Prefeito)

 

v  Construiu as praças Brasil, Paraguai, Nilson Ribas e Guadalajara;

v  Construiu a rodoviária;

v  Construiu a quadra esportiva na Praça Paraguai;

v  Iniciou a construção de meio-fio e os primeiros metros de calçamento de pedras irregulares;

v  Construiu quatro salas de aula no Anahy;

v  Aprovação do Hino de Corbélia;

v  Aquisição de um trator de esteira, um veículo.

 

Vereadores nesta gestão:

Ramiro V. Bós

David C. Lube

José Rubim

Luvercide De Freitas Coraça

Elio Zanato

Anacleto Pantano

Darcy Pretti

Wilson F. Galon

Alberto Menin

Pedro P. Godoy

Joaquim P. Marinho

 

4º Prefeito: JOSÉ MIRON MÜLLER 01/02/1973 à 31/01/1977

(Elino Trento – Vice-Prefeito)

 

Natural de Santo Ângelo-RS, nasceu dia 20 de janeiro de 1929, sendo filho de José Martin Muller e Catarina Muller e casado com Terezinha Lyra Muller. Seus filhos são Lourdes, Celanira, Lúcia, Nadiri, Orli e Marli.

Veio para Corbélia em 1969, exercendo inicialmente a função de Serventuário da Justiça, assumindo a direção do Cartório de Registro Civil e Tabelionato. Posteriormente, após ser prefeito do Município, dedicou-se a agricultura.

 

v  Construiu a escola Carlos Gomes, em convênio com a Fundepar;

v  Construção de escola e 1º pavilhão em Braganey;

v  Iniciou o asfaltamento da cidade;

v  Construção de escolas rurais;

v  Construção de mais salas de aula;

v  Reconstrução da cancha na Praça Paraguai;

v  Construção de 3 salas de madeira na Escola Olavo Bilac, em Ouro Verde;

v  Construção da escola São Francisco de Assis – Penha;

v  Construção de uma cancha de esportes no Colégio Amâncio Moro;

v  Construção da Praça no distrito da Penha;

v  Implantação do sistema DDD e DDI da Telepar em Corbélia;

v  Construção conveniada com o Estado da Cadeia e Delegacia Pública em Corbélia;

v  Implantação do serviço de água da Sanepar;

v  Implantação do Banco do Estado do Paraná – Banestado;

v  Aquisição de uma pá carregadeira, uma patrola, dois caminhões basculantes e um trator de esteira;

v  Convênio com a Fundepar para construção de 17 salas de aula na sede e distritos e 6 salas de aula no distrito de Iguatu.

 

Vereadores nesta gestão:

Paulo L. Feiten

Nelson Kerber

Osório P. Pinto

Argentino D. Soldatelli

Dalceu Ficagna

Dario C. Senn

Marino B. Jacomini

Ramiro V. Bós

Anacleto Pantano

 

5º PrefeitoLAUDEMIR TURRA 01/02/1977 a 31/01/1983

(David Carmo Lübe – Vice-Prefeito)

 

Nascido em 19 de maio de 1932 na cidade de São João do Triunfo-PR, filho de Sebastião Turra e Celina Mansani Turra. Casado com Irene Bona Turra, sendo seus filhos Luiz Henrique, Vera Lúcia e Desirê. Reside em Corbélia desde 1965 e como madeireiro industrial, instalou a madeireira Transamazônica Ltda.

Foi prefeito do município de Corbélia por dois mandatos, nos anos de 1977 à 1983 e posteriormente entre os anos de 1988 à 1992.

 

v  Construção de seis mini postos de saúde;

v  Construção de sub-prefeituras – Anahy, Braganey, Ouro Verde;

v  Construção dos postos telefônicos em Braganey, Anahy, Iguatu, Ouro Verde e Longuinópolis;

v  Construção de escolas em prédios de alvenaria;

v  Construção de novas escolas e de mais salas de aulas em todo o município, interior e distritos;

v  Ampliação de escolas e praças;

v  Remodelação das praças Brasil e Nilson Ribas e construção de quatro praças em reservas urbanas;

v  Construção do Fórum;

v  Implantação da rede de energia e iluminação pública com lâmpadas de sódio;

v  Implantação de seis parques infantis;

v  Implantação de iluminação em todos os distritos;

v  Construção de canhas de esporte em Ouro Verde, Longuinópolis, Braganey, Anahy, Penha e Vila São José e nas escolas do município e localidades, estas em convênio com a Fundepar;

v  Construção do módulo esportivo da Praça Paraguai, com vestiários, arquibancadas;

v  Eletrificação rural;

v  Construção do Palanque Oficial – Panteon das Bandeiras;

v  Construção do Ginásio de Esportes Senador José Richa;

v  Construção do Centro Cultural;

v  Construção de mais de 5000.000m² de asfalto na cidade;

v  Construção de mais de 80.000m² de asfalto em Braganey;

v  Construção de guias e meio-fio em Anahy;

v  Aquisição de parte do atual Parque de Máquinas;

 

Vereadores nesta gestão:

Delso José Trentin

Anacleto Pantano

Felix Casarolli

José G. Zacarias

João Capeletto

Renato U. Saponski

Francisco Tadioto

Garmo A. Prediger

Silvio Ronfin

Prefeito em ExercícioDAVID CARMO LÜBE 01/02/1981 a 31/04/1981

 

Nascido em Vitório-ES, filho de Antonio Lube Filho e Catarina Maria Lube, nasceu dia 16 de julho de 1933. Casado com Diva Maria Lube, tiveram os filhos Dinair, Dairto e David Lube Filho.

Veio para Corbélia em 1954, participando com o senhor Armando Zanato na divulgação da qualidade das terras aqui localizadas. Transportou novos moradores e compradores de terras da Fundação Paranaense de Colonização e Imigração. Foi um dos colonizadores e fundadores deste município.

Fundou a equipe do Industrial Esporte Clube e participou da construção da primeira igreja e da abertura de estradas, construção de pontes, escolas entre outros. Participou do legislativo e executivo municipal.

 

v  Aquisição do primeiro ônibus escolar;

v  Ampliação da estrutura metálica da rodoviária;

v  Recapamento com base asfáltica das ruas que eram calçadas de pedras;

v  Aquisição de uma caminhonete F-4.000;

 

6º Prefeito: DELSO JOSÉ TRENTIN 01/02/1983 à 31/01/1988

(Reni Dal’Bosco – Vice-Prefeito)

 

Natural de Ponta Serrada – SC, nasceu dia 06 de abril de 1951. Filho de Leopoldo Frederico Trentin e de Desolina Maria Toniazzo Trentin.

Já fez parte do Legislativo Municipal, sendo até aqueles dias, o vereador mais jovem de Corbélia. Foi prefeito de Corbélia entre os anos 1983 à 1989.

 

v  Construção em convênio com outros município, de pontes;

v  Realização da 1º e 2º Festa das Flores;

v  Ampliação do trevo oficial na BR 369 e instalação de iluminação no mesmo;

v  Recuperação de malha rodoviária, reconstruindo pontes e bueiros, danificados pelas fortes chuvas ocorridas em 1983;

v  Construção de 126.000m² de asfalto na cidade;

v  30.000m lineares de meio-fio e sarjetas na cidade;

v  Construção de sub-prefeitura no Iguatu, com Correios e posto de saúde;

v  Construção de sub-delegacia em Ouro Verde;

v  Construção de creches e clubes de mães nos distritos e sede;

v  Posto de saúde no Jardim Vera Lúcia;

v  Prédio para instalação da Vaca Mecânica no Jardim Vera Lúcia;

v  Estação de Piscicultura;

v  Abatedouro de coelhos – frigorífico;

v  Construção do trevo na avenida Santa Catarina;

v  Construção do Centro Cultural;

 

Vereadores nesta gestão:

Hilario Seidel

Adão Barbosa

Valdemar J. Bosi

Domingos A. Pasoline

Gentil Wiectzicoski

Wilson Paini

Ivanor D. Barnardi

Lorenço D. Rubin

Manoel A. De Oliveira

 

7º Prefeito: LAUDEMIR TURRA  1988 à 1992

(Garmo Adelmo Prediger – Vice-Prefeito)

 

v  Construção de Clubes de Mães;

v  Construção de casas populares;

v  Criação do Horto Municipal;

v  Centro de Convivência;

v  Doação de terreno a ACICORB;

v  Calçamento de pedras irregulares na sede e nos distritos;

v  Remodelação da Praça Brasil;

v  Construção Salão Comunitário da Penha;

v  Construção Sub-Prefeitura da Penha

 

Vereadores nesta gestão:

Miguel B. Gerona

Adão Barbosa

Orleu Bravin

Célio I. Huf

Gerson Pantano

Ivete T. D. Paini

Gilberto De Souza

Marcelino Berton

Darcy J. Ludwig

 

8º Prefeito: NILSON DE OLIVEIRA  1993 à 1996

(Celmo Aparecido Giglio – Vice-Prefeito)

Nasceu dia 19 de abril de 1942 no município de Londrina-PR e é filho de José Benedito de Oliveira e Cezira B. de Oliveira e casado com Maria Reny de Oliveira e pai de Glascimara, Nilson e Denise.

Em 1973 veio para Corbélia, tendo como atividade econômica a compra e venda de cereais e insumos agrícolas. Em 1978, trocou o comércio de cereais pelo de distribuição de bebidas.

Foi o 8º prefeito de Corbélia, sendo seu mandato compreendido entre os anos de 1993 à 1996.

 

v  Instalação de Unidade Veterinária;

v  Construção do Conjunto Habitacional Mutirão 4;

v  Construção do Albergue noturno;

v  Aquisição de terreno ao lado da Coopavel e construção da primeira etapa do estádio municipal;

v  Aquisição de uma ambulância, uma patrola, dois ambulatórios móveis;

v  Ampliação de escolas municipais;

v  Instalação de rede de esgoto;

v  Início das obras do Estádio Municipal;

v  Aquisição de áreas para a construção dos campos de futebol na Campininha e Ouro Verde do Piquiri;

v  Calçamento e asfaltamento na sede e interior;

v  Construção da escola 1º de Maio;

v  Reforma do Centro Cultural;

v  Ampliação e reforma em diversas escolas;

v  Adequação de estradas rurais;

 

Vereadores nesta gestão:

Gilberto De Souza

Valdir Cordeiro

Jair Luiz Fontana

Jaime S. Schmitt

Darci J. Ludwig

Josemar C. Casarin

Eliezer José Fontana

Edson V. Barella

Nelson J. Do Nascimento

 

09º e 10º Prefeito: CLÓVIS JOÃO BOMBARDA  1997 à 2004

(Eliezer José Fontana – Vice-Prefeito)

Nascido em 23 de Junho de 1949, na cidade de São José do Ouro-RS, filho de João Bombarda e Cecília Pértile Bombarda, é casado com Nelita Ceriolli e tem como filhos Juliano João e Ana Paula. Foi filiado ao antigo MDB, e foi um dos fundadores do PDT no Paraná,  em 1981. Veio para Corbélia em 1971, trabalhando como auxiliar de contabilidade. È formado em Ciências Contábeis pela Unioeste.

Foi prefeito de Corbélia por dois mandatos consecutivos, entre os anos de 1997 à 2000 e 2001 à 2004.

v  Recuperação e adequação de estradas;

v  Implantação do Programa de plantio de flores e paisagismo;

v  Reforma e cobertura da Praça Paraguai;

v  Asfaltamento na sede e distritos;

v  Criação e construção do Lago Municipal – Parque Primavera;

v  Realização da 3º e 4º Festa das Flores;

v  Construção do Ginásio de Esportes no distrito de Ouro Verde;

v  Construção da Feira do Pequeno Produtor Rural;

v  Ampliação e reforma do Centro de Saúde;

 

Vereadores nesta gestão:

Gilberto De Souza

Isais Soldatelli

Abel H. De Sá Almeida

Jaime S. Schmitt

Josemar C. Casarim

Ivete T. D. Paini

José Bento De Souza

Valri Cordeiro

Irene Bona Turra

 

Segunda Gestão:

v  Construção do Ginásio de Esportes no distrito da Penha;

v  Instalação do Banco Social;

v  Aquisição de trator Eco-coletor;

v  Construção do Lago Primavera;

v  Criação da Vila Rural;

v  Inicio das obras do Centro de Eventos;

v  Desenvolvimento do programa de Eco-Turismo;

v  Investimentos na área industrial;

v  Criação e construção da Varanda Colonial;

v  Construção de casas populares em convênio com a COHAPAR;

v  Construção da creche Iracema Zanato;

v  Construção de arquibancadas e vestiários do Estádio Municipal;,

v  Recape asfáltico em diversos pontos do município.

 

Vereadores nesta gestão:

Valdírio Reis Monteiro

Lurdes Staffen

Percio H. O. Souza

Isaias Soldatelli

Valdir Cordeiro

Ivete Terezinha Durigon Paini

Sebastião Furtado

Devoncir Marques Martins

Ivanor D. Bernardi

 

11º e 12º Prefeito: ELIEZER JOSÉ FONTANA  2005 à 2012

(Jair Luiz Fontana – Vice-Prefeito)

 

Eliezer José Fontana é filho de José Fontana e dona Niura Ana Fontana. Natural de Corbélia, nasceu dia 23 de Abril de 1966.

Foi vereador no período de 1993 à 1996 e em 1997, junto ao prefeito eleito, Clóvis João Bombarda, assume o cargo de vice-prefeito e Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, permanecendo durante dois mandatos consecutivos. Em 2004, é eleito prefeito, sendo inclusive, o primeiro prefeito de Corbélia que é natural do município.

É casado com Lizmari Vieira do Prado Fontana e possui um filho, chamado Andreo Eliezer Fontana.

v  Conclusão de obras no Estádio Municipal;

v  Criação da Secretaria Municipal de Turismo, Esporte e Lazer;

v  Criação da Secretaria de Ação Social;

v  Continuidade nas obras do Centro de Eventos;

v  Reforma e adequação do Parque de Máquinas;

v  Revitalização de Praças;

v  Revitalização das avenidas Santa Catarina, São Paulo e Rio Grande do Sul;

v  Implantação do Plantão de Atendimento Médico (PAM) 24 horas;

v  Manutenção dos Clubes de Mães;

v  Renovação da frota municipal;

v  Adequação de estradas rurais;

v  Iluminação do estádio municipal;

v  Operação Tapa-Buraco;

v  Implantação da Educação em Tempo Integral;

v  Recapeamento asfáltico;

v  Manutenção e ampliação da farmácia básica municipal;

v  Ampliação de atendimento médico com profissionais especializados;

v  Implantação da Casa Terapêutica Anjos do Amor;

v  Adequação e criação de Parque Industrial;

v  Criação da Orquestra de Viola Caipira;

v  Formação de equipe pedagógica multidisciplinar;

v  Apoio ao Conselho tutelar e Casa Lar;

v  Criação dos projetos Mamãe e Bebê e Mãe Corbeliense;

v  Programas: Remédio em Casa, Saúde Bate à sua Porta, Gerando Saúde;

v  Aquisição e substituição de ambulâncias;

v  Implantação de Plano de Carreira para servidores municipais;

v  Construção do prédio do Corpo de Bombeiros;

v  Criação da Academia da 3º Idade;

v  Consolidação do programa de Incentivo Fiscal à Micro e Pequena Empresa;

v  Apoio na elaboração do livro “Corbélia, 50 anos de história”.

 

JAIR LUIZ FONTANA – Vice-Prefeito

 

Jair Luiz Fontana, nascido na cidade de Palmitinho – RS, no dia 04 de Maio de 1955, é filho de José Pedro Fontana e Ladevirge Dallanora Fontana.

Já foi vereador e presidente da Câmara Municipal também entre os anos de 1993 à 1996.

Hoje, Jair Luiz Fontana, além de vice-prefeito, está a frente da Secretaria Municipal da Fazenda e Coordenação Geral, foi incentivador desta obra visando resgatar a história e honrar os pioneiros e fundador de Corbélia.  Sua esposa, a senhora Dilce Lira Fontana, sempre envolvida voluntariamente em projetos sociais, faz parte da direção da Fundação Luz e Vida.

 

Vereadores na primeira gestão:

Valdírio Reis Monteiro

Ivete T. D. Paini

Gilmar Pinto

Juliano Schmitt

Ademir Paulo Pasetti

Dilce Lira Fontana

Lurdes Staffen

Sebastião Furtado

Devoncir Marques Martins

 

Vereadores na segunda gestão

Paulo José Borges Cardoso

Marcio André Wentz

Dangelles Decki

Inácio Forte

Gilberto De Souza

Nilse Lengler Martini

Devoncir Marques Martins (in memoriam)

Jair Leodato Da Silva

Juliano Schmitt

Nei Adair Pauvels

Os nomes em negrito referem-se aos Presidentes da Câmara Municipal de Corbélia

Turismo

Atrativos naturais

Cachoeira Bonanza

Localização: Propriedade particular em área rural no rio Tesouro.

Distância: 7 km da sede do município

Área: 350 m²

Meios de acesso: Estrada rural com calçamento, através de carro até a sede da propriedade e posteriormente a pé aproximadamente 200 metros pelo pasto.

Aspectos da flora e fauna: Vegetação rasteira e mata nativa nas proximidades. Equipamentos e Serviços: em andamento.

Visitação: Em média 500 pessoas por final de semana.

Paisagem: Cachoeira com 17 metros cercada com vegetação rasteira, “paredão de pedra”.

Cachoeira do Padre

Localização: Em propriedade particular na área rural no rio Sapucaia.

Distância: 9 km da sede do município

Área: 400 m²

Meios de acesso: Estrada rural com calçamento através de carro e posteriormente a pé pela mata aproximadamente 50 metros.

Aspectos da flora e fauna: Vegetação rasteira e mata nativa nas proximidades.

Equipamentos e Serviços: Não apresenta.

Visitação: Não apresenta.

Paisagem: Cachoeira com 10 metros de altura, cercada de vegetação rasteira e pedras grandes.

Cachoeira Foz do Rio Tesouro

Localização: Em propriedade particular na área rural no rio Tesouro.

Distância: 7 km da sede do município.

Área: 250m²

Meios de acesso: De carro pela estrada rural com calçamento e posteriormente a pé pela mata aproximadamente 30 metros.

Aspectos da fauna e flora: Vegetação rasteira e mata nativa nas proximidades. Equipamentos e Serviços: Não apresenta.

Visitação: Não apresenta.

Paisagem: Cachoeira com 3 metros de altura cada queda, cercada de vegetação rasteira e pedras grandes.

 

Cachoeira divisa 3 municípios – Corbélia, Braganey e Iguatu

Localização: Em propriedade particular, área rural no Rio Sapucaia.

Distância: 22 km da sede do município.

Área: 450 m²

Meios de acesso: De carro pela estrada rural e posteriormente segue pela mata e pastagens por 100 metros.

Aspectos da fauna e flora: Vegetação rasteira e mata nativa nas proximidades.

Equipamentos e Serviços: Não apresenta.

Visitação: Não apresenta.

Paisagem: Cachoeira com aproximadamente 10 metros de altura, cercada de mata nativa, onde o rio Sapucaia atinge maior largura, aproximadamente 100 metros.

 

Cachoeira Beijinho em propriedade da Prefeitura Municipal (antiga Usina Sapucaia)

Localização: Área rural no rio Sapucaia, pertencente ao município.

Distância: 9 km da sede do município.

Área: 300 m²

Meios de acesso: De carro pela estrada rural e posteriormente 200 metros pela mata.

Aspectos da fauna e flora: Vegetação com muitas flores e plantas como: samambaias, bromélias, orquídeas, beijinho além de mata nativa incluindo muitas araucárias.

Equipamentos e Serviços: Não apresenta.

Visitação: Não apresenta.

Paisagem: Cachoeira com aproximadamente 9 metros de altura, cercada por paredões de pedra e muitas plantas e flores.

 

Cascatinha

Localização: Área rural em propriedade particular no rio Sapucaia, às margens da Rodovia.

Distância: 8 km da sede do Município.

Àrea: 2.500 m²

Meios de acesso: Pela Pr Padre Paulo.

Equipamentos e Serviços: Mesas, churrasqueiras, lixeiras, campo de futebol, bar e banheiros.

Visitação: Muito procurada nos finais de semana, no verão aproximadamente 1.500 pessoas por final de semana.

Paisagem: Bosque, rio Piquirizinho e Sapucaia, cascatas e mata nativa.

 

Cachoeira Winter

Localização: Área rural em propriedade particular no distrito da Penha, rio Melissa.

Distância: 17 km da sede do Município

Área: 300m²

Meios de acesso: Pela Br 369 seguindo por estrada Rural.

Equipamentos e Serviços: Não possui.

Visitação: Não possui.

Paisagem: Cachoeira com aproximadamente 17 m de altura, cercada de mata nativa, pedras e trilhas.

 

Cachoeira Ilha Melissa

Localização: Área rural em propriedade particular no distrito da Penha, rio Melissa.

Distância: 17 km da sede do Município

Área: 200m²

Meios de acesso: Pela BR-369 seguindo por estrada rural.

Equipamentos e Serviços: Não possui.

Visitação: Não possui.

Paisagem: Cachoeira com aproximadamente 2 m de altura com uma ilha central, cercada de vegetação rasteira, pedras, trilhas e gramado para camping.

LIMITES DO MUNICÍPIO DE CORBÉLIA

CIDADE KM ACESSO Região Empresa de Ônibus
Anahy 33 BR 369 Nordese TCTUR
Braganey 22 PR 573 Sudeste Expresso Maringá
Cafelândia 23 PR 574 Oeste Expresso Nordeste
Cascavel 24 BR 369 Sul Expresso Maringá
Iguatú 34 PR 573 Leste Expresso Maringá
Nova Aurorá 38 BR 369 Nordeste Expresso Nordeste
Ubiratã 60 BR 369 Norte Expresso Maringá

Hino 

 

corbelia

.

Letra: Vera Vargas

Música: Sebastião Lima

Arranjo Musical: Acir B. Tedeschi

Tu nasceste igual nascem as flores 
Duma prece do sol sobre o chão
Tem teu nome a magia das cores
Que matizam a linda região.
Quando oscilas a messe dourada
As espigas de milho a arroz
Te assemelhas à tela animada
Que com tintas de luz deus compôs.

Corbélia benção divina
És a lidima expressão
O milagre que germina
A cidade do sertão.
Vejo em teu perfil seguro
Que esperança e paz nos dá
A homenagem que o futuro
Despertar ao Paraná.

Nessa esplendida força da terra
E na audácia em labor dessa gente
É que o grande segredo se encerra
No progresso que brota fremente
Conta o Rio Piquiri toda a história
De bravura, de fé e de união.
Que te mostra feliz trajetória
Rumo ao plano ideal da nação.

Corbélia benção divina
És a lidima expressão
O milagre que germina
A cidade do sertão.
Vejo em teu perfil seguro
Que esperança e paz nos dá
A homenagem que o futuro
Despertar ao Paraná.

Ouça o Hino:

Fonte: Daiane Peroza

Viu algum erro? quer adicionar uma informação?  Colabore com o autor. Clique aqui e nos ajude a melhorar a matéria!

Compartilhe:

Voltar ao Topo